Quem é a Imaculada Conceição? O que é celebrado exatamente no dia 8 de Dezembro?

Quem é a Imaculada Conceição? O que é celebrado exatamente no dia 8 de Dezembro?

Lun, 06 Dic 21 Formación litúrgica Liturgia

Em 8 de Dezembro de 1854 Pio IX proclamou solenemente que "a Santíssima Virgem Maria, desde o primeiro instante da sua concepção, por uma graça e privilégio singular de Deus Todo-Poderoso e em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador da raça humana, foi preservada livre de toda a mancha do pecado original".

A Igreja acredita, portanto, com certeza que a Virgem, em virtude da redenção feita pelo seu Filho, desde o primeiro momento da sua existência foi envolvida com o dom da graça divina e, consequentemente, nunca foi tocada pelo pecado original, que infelizmente todos nós herdámos de Adão.

O Concílio Ecumênico Vaticano II reafirma-o claramente: "Maria, unida à linhagem de Adão com todos os homens necessitados de salvação, foi redimida de forma sublime, tendo em conta os méritos do seu Filho".

Esta verdade dogmática, ainda não partilhada pelos nossos irmãos ortodoxos e protestantes, foi esclarecida na Igreja Católica através de um longo e conturbado processo histórico de reflexão sobre a Revelação Divina.

A Imaculada Conceição e a Igreja

A Imaculada Conceição de Maria diz respeito a toda a Igreja, chamada a ser a noiva de Cristo, toda gloriosa, sem mancha nem ruga, santa e imaculada (cf. Ef 5,25); e a tornar-se a cidade santa, a nova Jerusalém, pronta como a noiva adornada para o seu marido (cf. Ap 21,2). Neste caso, ela vê o momento inaugural da graça de Cristo na terra, o início da plena implementação do plano de salvação de Deus, cujo objetivo é construir um reino de graça e santidade.

Neste início prodigioso, a Igreja admira o maior fruto da Redenção, o início da nova criatura em Cristo, a terra virgem das origens. A Imaculada Conceição, portanto, e a própria existência desta criatura nunca infectada pelo pecado e sempre cheia de Deus, falam-nos da nossa vocação pessoal; revelam aos nossos olhos contemplativos esse destino de graça e glória que é comum a toda a Igreja: a Imaculada Conceição antecipa o objetivo para o qual todos nós somos chamados.

A Imaculada e o Advento

Finalmente, os textos litúrgicos sublinham que também nós estamos envolvidos no mistério que se celebra e fazem referência explícita ao Advento e à sua espiritualidade de expectativa e preparação para a vinda do Senhor. Devemos todos ser solidários com a Virgem Imaculada (mesmo que nunca consigamos alcançar a sua plenitude de graça), a fim de acolher dignamente o Senhor que está chegando: ela a nível histórico há dois mil anos, nós a nível misterioso-sacramental no dia de Natal e a nível escatológico-final do seu glorioso regresso.

Lido a esta luz, o privilégio concedido a Maria não afasta a Filha de Sião da Igreja e do Povo de Deus. Pois toda a libertação fiel do pecado original é um fato consumado: também eles, pelos mesmos méritos de Cristo, em virtude da fé na ressurreição de Cristo e através do sinal da água, foram libertados da mesma mancha da qual a Virgem foi preservada. A libertação batismal é, num certo sentido, modelada no evento de graça e preservação que foi a Imaculada Conceição de Maria.

Renascidos e recuperados pelo Espírito, empenhados na vida de fé e no seguimento de Cristo, como novas criaturas mortas ao pecado e vivendo na graça divina, encontramos na Virgem Imaculada o modelo da autêntica viagem espiritual, feita de purificação comprometida e de total santidade.

Viver na plenitude da graça

A festa da Imaculada Conceição recorda-nos, em suma, o dever de levar uma vida irrepreensível e longe do pecado, a luta constante que cada um de nós deve travar contra o poder do mal; uma luta da qual, com a graça de Deus, devemos sair vitoriosos, a fim de sermos e permanecer puros, imaculados e santos aos Seus olhos.

De fato, nesta luta sem limites, o veredito de Deus é a favor do homem: enquanto Ele abandona a serpente à sua maldição, Ele cuida do homem e especifica que Ele concederá uma bênção de salvação à humanidade: Eva e os seus descendentes esmagarão para sempre a cabeça da serpente infernal. (Gen 3, 13-15). Esta bênção, segundo São Paulo (Ef 1,3-14), é plenamente realizada em Cristo, o Redentor e protótipo de vida filial; e d'Ele, como de uma fonte inesgotável, derrama-se sobre as criaturas.

Em Maria Imaculada, cheia de graça e Mãe de Deus, a vocação salvífica do homem realiza-se, como modelo para todos; nela o Pai mostra o seu plano de salvação realizado; nela, a primeira criatura nascida da bênção em Cristo no Espírito, brilha o esplendor da filiação divina que permite ao homem chamar a Deus "Abba", Pai.

Cheia do supremo favor divino, a Virgem Imaculada permanece perto de nós: ela mostra-nos o fascínio da vida em Deus e convida-nos, com a transparência pura, imaculada e luminosa do seu rosto como uma simples mulher que encontrou favor, a acolher na fé, no amor e no amor, o amor de Deus.