Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo!

Lun, 15 Nov 21 Formazione liturgica Liturgia

A Solenidade de Cristo Rei foi instituída pelo Papa Pio XI com a Encíclica "Quas primas" de 11 de Dezembro de 1925 e foi celebrada por ele pela primeira vez a 31 de Dezembro desse ano santo de 1925.
O grande pontífice pretendia desta forma responder às numerosas petições assinadas por Cardeais, Bispos, Institutos Religiosos, Universidades Católicas e centenas de milhares de fiéis em todo o mundo, pedindo-lhe que estabelecesse uma festa litúrgica própria; com o objectivo de "reparar os ultrajes feitos a Jesus Cristo pelo ateísmo oficial" e proclamar solenemente "os direitos soberanos da pessoa real de Jesus Cristo, que vive na Eucaristia e reina, com o Seu Sagrado Coração, na sociedade".
Pio XI também motivou a criação desta nova festa como uma ajuda espiritual eficaz para o povo de Deus, pois através do ritmo cíclico do ano litúrgico a assimilação dos mistérios divinos é facilitada.
Ele explicou longamente como a realeza de Cristo se baseia nas páginas sagradas do Antigo e do Novo Testamento, no testemunho dos Padres e dos Concílios. Recordou em particular que o Conselho de Nicéia inseriu no Símbolo a fórmula que proclama a dignidade real de Cristo, com a expressão: "o seu reino nunca acabará".
 
Com a celebração desta solenidade, que surgiu num contexto cultural em que vários totalitarismos estavam a emergir que exigiam a fidelidade pessoal absoluta dos povos, o Papa Pio XI pretendia enfatizar o senhorio de Cristo sobre a história, ao longo do tempo, sobre todos os homens.
Embora as monarquias absolutas já não estejam na moda no mundo de hoje, existe ainda a tentação de nos sujeitarmos, muitas vezes inconscientemente, aos poderosos da época... O nosso rei de hoje pode tornar-se dinheiro ou sucesso; por vezes tornamo-nos reis das nossas próprias vidas, ou elevamo-nos a este papel uma pessoa, uma ideologia ou, pior ainda, uma coisa, uma paixão... São todos reis de um reino destinado a cair...
O reino de Deus que Jesus nos propõe, por outro lado, não é deste mundo: é o reino do Amor; e se a nossa vida gira à sua volta, tornamo-nos participantes na sua vitória real sobre o mal e a morte.
A Liturgia da Solenidade com as leituras exorta-nos a reconhecer no "filho do homem" predito pelo profeta Daniel o Senhor Jesus, a quem foi dado "poder eterno, que nunca terminará, e o seu reino nunca será destruído". Ele ecoa na declaração solene do Salmo 92: "O teu trono é firme desde a eternidade, desde a eternidade tu és".
O texto do Apocalipse introduz-nos para compreender e aprofundar a qualidade da realeza de Cristo, que não só é "soberana dos reis da terra", mas envolve cada um de nós e todos nós juntos como sua Igreja; uma vez que ele "nos ama e nos libertou dos nossos pecados com o seu sangue" somos convidados a ter consciência de que "ele fez de nós um reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai".
A passagem do Evangelho de João, no contexto do grande martírio-testemunho que Cristo deu sobre si mesmo, primeiro perante os líderes judeus e depois perante as autoridades romanas, abre-nos a uma compreensão da realeza de Cristo, tal como ele a viveu.