Santa Maria, Mãe de Deus

Santa Maria, Mãe de Deus

Ter., 28 Dez. 21 Lectio Divina - Ano C

A celebração de Maria, Mãe de Deus no contexto do Natal, ajuda-nos a fortalecer a nossa fé em Jesus, Homem-Deus, duas naturezas numa só Pessoa, um dogma definido pelo Concílio de Éfeso (431). Maria é a Mãe do Homem-Deus e deve ser chamada com razão a Mãe de Deus. Isabel chamou Maria: Mãe do meu Senhor, quer dizer, de Deus.

Paulo ensina que recebemos o Espírito do Filho e que somos filhos de Deus e, portanto, podemos chamá-lo: Abba-Pai! A filiação divina lembra-nos que em Jesus também nos tornamos filhos de Maria, a Mãe de Deus que nos deu o Salvador. No Batismo nos é dada a possibilidade concreta de sermos inseridos na vida nova e eterna do Filho de Deus. Como ele, somos conduzidos para a Jerusalém do céu pelo Espírito.

Nesta solenidade a Igreja oferece para a nossa contemplação a continuação do Evangelho que nos foi anunciado na noite de Natal. Os pastores receberam o anúncio dos anjos de que um salvador, Cristo o Senhor, tinha nascido, e foram convidados a ir e ver. Também nós, como os pastores, vamos ver o que aconteceu. Com eles, partimos para o caminho que conduz àquele lugar.

É noite, as estrelas estão brilhando e o ar é puro e claro. É noite, mas há luz porque Aquele que é a Luz nasceu. Há movimento nesse caminho, cada um trazendo algo para dar aos recém-nascidos. Uma alegria profunda acompanha a viagem: não só nasce uma criança, como os anjos disseram que nasceu um salvador, Cristo, o Senhor. Quando chegam, encontram uma família, uma jovem família que também fica espantada com todo o movimento. Com os pastores, Maria e José contemplam em silêncio este pequeno filho, este Deus que se fez carne, que se tornou finito, que se tornou tempo e história. O céu beijou a terra e a partir desse instante tudo mudou.

 v.16: [Os pastores] foram, sem demora, e encontraram Maria, José e a criança deitada na manjedoura. Os pastores estão com pressa, estão com pressa. Não são movidos pela curiosidade, mas sim pela fé. Estão cheios de alegria e por isso podem ir com entusiasmo para ver a grande realidade que lhes tinha sido anunciada pelos anjos.

E o que é que eles encontram? Uma família jovem, simples e pobre. Os anjos tinham dito que encontrariam "uma criança embrulhada em faixas, deitada numa manjedoura" (Lc 2,13) e este é o sinal óbvio de reconhecimento: eles veem o que os anjos tinham dito. Ali encontram Deus: a glória de Deus que lhes é cantada pelos anjos está presente numa manjedoura, ao lado dos animais.

v.17: E quando o tinham visto, relataram o que lhes tinha sido dito sobre a criança. Eles viram o que os anjos tinham dito, perceberam, viram com os seus próprios olhos o esplendor de Deus que não parecia forte e poderoso, mas sim manso e pobre. Agora podem partir e podem informar os outros, podem trazer a boa nova: nasce o Salvador. Tornam-se mediadores, arautos, missionários.

v.18: Todos os que ouviram ficaram surpreendidos com o que os pastores lhes disseram. O seu coração simples é capaz de acolher a manifestação de Deus naquela criança e é por isso que o seu relato é contagioso: aqueles que os escutam não podem ser tomados pela maravilha, pelo espanto.

v.19: Maria, por seu lado, guardou todas estas coisas, ponderando-as no seu coração. Esta é a grandeza de Maria, a sua relação com a Palavra de Deus: acolhê-la, encarná-la, vivê-la, aprofundá-la, ruminar sobre ela, fazê-la ganhar vida e crescer, deixar-se moldar por ela, mesmo quando não é compreendida ou quando causa sofrimento. Maria medita os acontecimentos da sua vida no seu coração e ilumina-os com a luz da Palavra de Deus; desta forma, ela chega a uma melhor compreensão do seu significado.

v.20: Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes tinha sido dito. Viram que o que os anjos tinham dito era verdade: os pastores reconheceram Deus, o verdadeiro Senhor do mundo, presente numa criança. Os pastores ouviram e acreditaram e viram o que ouviram. Assim, o louvor a Deus é possível. O que foi desde o início, o que ouvimos, o que vimos com os nossos próprios olhos, o que vimos e o que as nossas mãos tocaram da Palavra da vida - a vida manifestou-se, nós vimo-la e a ela damos testemunho e proclamamos-vos a vida eterna, que estava com o Pai e que se manifestou a nós -, o que vimos e ouvimos, nós também vos anunciamos, para que também vós possais ter comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai e com o seu Filho, Jesus Cristo. Estas coisas que vos escrevemos, para que a nossa alegria seja plena. (1Jo 1,1-4). Os pastores completam a sua experiência de "visão", glorificando e louvando a Deus.

v.21: Quando os oito dias prescritos para a circuncisão foram cumpridos, foi-lhe dado o nome de Jesus, como tinha sido chamado pelo anjo antes de ser concebido no útero. A criança Jesus é circuncidada no oitavo dia após o seu nascimento, como diz a Lei (cf. Gn 17,12). A circuncisão é um sinal de pertença ao povo e dá identidade à pessoa. Nesta ocasião, a criança recebe o seu nome. Jesus também recebe o seu nome como o anjo diz a José: "chamarás o seu nome Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados". (Mt 1:21).