Maria Oliva Bonaldo do Corpo Místico
Venerável - Fundadora das Filhas da Igreja

Infância e adolescência

María Oliva nasceu em 26 de março de 1893, em Castelfranco Veneto (Treviso). Naquele ano, foi Domingo de Ramos e foi o dia após a festa da Anunciação. O nome de María Oliva lembra esses dois eventos. É a quarta dos nove filhos.
Seus pais, José Antonio Bonaldo e Italica Dionisia Bianco, chamada "Gioconda", tiveram um restaurante sob os pórticos, no centro histórico da cidade, até se mudarem para a cidade de Bassano del Grappa, em 1º de dezembro de 1893, onde eles adquirem o hotel "Stella d'oro" [estrela dourada].

María Oliva viveu uma infância feliz e, nestes anos, conhece o amor da Eucaristia, da Virgem e dos pobres, que lhe foi transmitida pela mãe, que morreu em 1904 quando deu à luz o seu nono filho, que também não sobreviveu. A alegria e a tranquilidade de María Oliva desaparecem e essa séria perda marca sua adolescência.
No mesmo ano, ele entrou no Colégio das Canosianas de Treviso, onde freqüentou as escolas técnicas, que ele deixou aos 14 anos para continuar seus estudos em Veneza, obtendo o Diploma de Ensino.

Juventude e inspiração

A jovem professor recebe a primeira ordem de educação nas escolas primárias de "Castello di Godego" (TV) e depois em outras cidades vizinhas. Inteligente, culta e criativa, dedica suas habilidades pedagógicas extraordinárias aos seus alunos; atenta e sensível, ele dá seu salário aos pobres a quem ele chama de "Jesus".
Em 1911 mudou-se para Castelfranco, onde se encontrou e conheceu um jovem pintor veneziano, com quem queria começar uma família.Através de um evento imprevisível, Deus explode em sua vida, transformando-a inteiramente. Em 22 de maio de 1913, Festa de Corpus Christi, María Oliva decidiu participar da procissão eucarística. Ela mesma narra o evento assim: "Eu tinha vinte anos quando, por ocasião da festa de Corpus Christi, senti o desejo de participar da procissão, mas o simples fato de pensar que eu tinha que enfrentar o ridículo de certas pessoas impediu-me de fazê-lo, meu amor próprio não queria, absolutamente, que eu participe. Poucas pessoas participaram da procissão e aqueles que participaram foram designados como "abençoados". Chegamos à praça "Giorgione". Lá o Senhor estava esperando por mim para me pagar como Senhor. Quando o sacerdote levantou o Santo Anfitrião para abençoar, eu não sei...: Eu entendi Jesus, tive uma idéia muito clara do Corpo Místico, me senti transformada, o céu estava tudo em mim, as coisas da terra pareciam tristes e vaidade tudo o que não pertencia a Deus. Voltei para casa sentindo-me outra. Antes de remover meu véu, escrevi no meu diário que me tornaria religiosa".
Convertida ao amor, cheiao de alegria inconcebível, ela imediatamente abandona o projeto do casamento. Tinha sido conquistada pelo ideal de consagração a Deus e pela intuição de dar vida a uma nova Família Religiosa dedicada ao serviço da Igreja; mas não foi entendido por seu diretor espiritual, que lhe diz que nele não vê um instrumento adequado para um projeto similar. Ele continua, portanto, a ensinar como professor e a sacrificar sua vontade através de uma obediência heróica.
Durante a Primeira Guerra Mundial, enquanto ele era uma fugitiva com seus parentes em Portiolo (Mantova), ele cultiva o desejo de conhecer a Sagrada Escritura e cresce nele o amor da Palavra de Deus e dos irmãos, todos membros do corpo de Cristo. Ele concretiza as primeiras experiências e dedica-se a um intenso trabalho de evangelização de crianças e jovens.

Religiosa Canosiana

Em outubro de 1920, aos 27 anos, em obediência a seu diretor espiritual, María Oliva entrou na comunidade das Filhas da Caridade Canosiana em Treviso. Lá ele fez os primeiros votos em 7 de setembro de 1923 e, em 24 de outubro de 1928, ele fez sua profissão perpétua.
De 1924 a 1928, frequentou o Instituto Superior de Educação da Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão, onde em 1930 obteve um diploma em Filosofia e Letras, com as mais altas notas. O título de sua tese foi: A Virgem no Humanismo.Ela se tornou Diretora do Instituto de Ensino das Canosianas em Treviso, viveu intensamente com grande responsabilidade, dedicação e criatividade, seu serviço como educador. Ele desenvolveu um "Projeto Educacional" e outros escritos, poesias, oratórios, representações para várias partes e circunstâncias, seja da escola ou da comunidade religiosa.

Filha da Igreja

A vida como Canosiana, apesar de sua frágil saúde devido a doença da tuberculose, não aborrece em María Oliva a contínua demanda interna para dar vida a uma nova família religiosa.
Ela confia aos seus superiores essa inspiração, e depois de muitos anos de espera, oração e espero a autorizem a apresentá-la por escrito.Em 1934, ele escreve os "33 foglietti” (folhetos), nos quais ele indica as linhas de espiritualidade das futuras Filhas da Igreja. Depois de sofrer e vários eventos, María Oliva encontra o Patriarca de Veneza, o Cardeal Adeodato Piazza, que entende o projeto e faz os respectivos procedimentos, para que a Superiora Geral das Canosianas autorize o experimento da comunidade nascente.María Oliva, com quatro jovens, inicia a "Obra" das Filhas da Igreja, na casa geral dss Canosianas, em Roma, em 24 de junho de 1938.

Os primeiros anos

A Madre María Oliva, com permissões renovadas anualmente pela Santa Sé, conseguiu permanecer com suas filhas, tomando conta de sua formação.
Durante os anos seguintes, apesar das dificuldades do início e das dificuldades da Segunda Guerra Mundial, a família se espalhou por vários lugares na Itália. Em 11 de abril de 1943, morreu Olga Gugelmo (agora Venerable), a quem a Mãe esperava confiar a direção da pequena família, porque não podia assumi-la, uma vez que estava vinculada pelo voto que ela havia feito para permanecer Canosiana para sempre.
A Cardeal Piazza pede pessoalmente ao Papa Pio XII que Maria Oliva seja dispensada desse voto e concede a aprovação diocesana da nova Congregação em 21 de abril de 1946.Por desejo expresso do Papa, a Mãe passa para a Congregação fundada por ela, pronunciando a profissão perpétua em 2 de agosto de 1946, tornando-se Mãe e Superiora Geral das Filhas da Igreja.Já de Pontifício Direito desde 1949, em 1957, a Congregação recebe a aprovação definitiva das Constituições e, nos anos sucessivos, desenvolve uma extraordinária expansão numérica, territorial e apostólica.

A maturidade

O tempo do Concílio Ecumênico Vaticano II encontra a Mãe muito atenta ao novo caminho eclesial. As grandes Constituições sobre a liturgia, a Igreja, a Palavra de Deus, a Missão da Igreja no mundo contemporâneo, a preenchem de alegria, porque confirmam e explicam a intuição carismática que recebeu do Espírito em 1913. Através da Editora das Filhas da Igreja e das revistas "Ecclesia Mater" e "Mater Ecclesiae", esses documentos são divulgados, para que o Mistério da Igreja seja conhecido e amado por todos. Ela também era preeminente na promoção e sustentação da colaboração com os leigos, a quem vê como tendo uma especial vocação-missão eclesial para os tempos novos.
Estes são os anos em que a Mãe responde à exortação da Igreja para se envolver em outros continentes. Ela manda suas filhas para Bolívia, Brasil, Colômbia, Argentina, América do Norte, Índia, lugares onde a evangelização e a formação cristã são urgentes, entre os mais pobres e os mais necessitados.
A Madre Maria Oliva do Corpo Místico retorna ao Pai em 10 de julho de 1976. Em 17 de junho de 1987, o Cardeal Poletti abre em Roma o "Processo Informativo" para a causa da beatificação, encerrado pelo cardeal Ruini em 15 de setembro de 1992. Papa Francisco 9. 12. 2013 reconhece suas virtudes heróicas e declarou Venerável.Os seus restos mortais repousam ao lado do altar da Casa Geral em Roma-Itália.

María Oliva chamada para comunicar o amor

Em frente a María Oliva nos encontramos cercados por um senso de mistério que nos silencia e nos obriga a parar, como se estivéssemos diante de uma beleza luminosa.
Ela é uma mulher completamente submersa em Deus, seus olhos realmente contemplavam outro mundo à luz de Deus. Uma mulher do nosso tempo que, olhando a Igreja, conheceu como derreter em sua vida os opostos: grandeza e pequenez, força e suavidade, esconder e esplendor, contemplação e ação.
A Madre María Oliva atinge o ápice de um caminho de fé que ela dá não só a suas filhas, mas também aos leigos. O honorável Igino Giordani (agora Servo de Deus), em 1977 escreveu às Filhas da Igreja: "Não termino de agradecer a Deus pelo privilégio que me deu em encontrar, no meio da política, uma santa que me desafiou aos valores do Espírito, me ajudou a viver a Igreja".María Oliva é uma criatura chamada pelo Amor para viver o Amor e para comunicá-lo. Ela respondeu com criatividade à inspiração recebida durante a procissão de Corpus Christi, amando e sofrindo pela humanidade, para que todos se tornem uma Igreja.
Cookies make it easier for us to provide you with our services. With the usage of our services you permit us to use cookies.
More information Ok