Escritos

Escritos da fundadora

33 folhas

As páginas publicadas neste volume transmitem a ansiedade de M. Maria Oliva, mãe e fundadora das Filhas da Igreja. Neles, M. Maria Oliva, que  agora se torna com o "novo nome", "do Corpo Místico", traça as principais linhas do ser e ação de sua família religiosa.

Com uma mão mestre, delineia a fisionomia exata, que percebeu ao ouvir o Espírito, da nova Congregação. Alérgica a normas jurídicas não-substantivas de doutrina, mesmo quando enumera os princípios e normas da vida prática, ela se abandona, sem perceber, a "unção" do Espírito, deixando que de Ele seja ensinada e guiada. Assim, "33 folhas" muitas vezes se tornam uma "deliciosa" contemplação, animada substancialmente pela Palavra de Deus.

Parece que, em toda a opereta, a Mãe tem a determinação de deixar falar esse Espírito, que no passado distante já tinha tido a maravilhosa iniciativa da nova Opera. Ou, melhor, que ele comunicou com ela, na plenitude dos tempos, o plano de amor que a Trindade desde a eternidade tinha como presente por uma hora especial na igreja.

Os «33 folhas» são um excelente presente para toda a Congregação. Constituem o comentário mais qualificado sobre as Constituições, que dependem essencialmente disso. E acima de tudo, eles são um retorno às fontes desse Espírito, cuja recepção é um segredo de fidelidade, de vida, de alegria.

Flor da Paixão

É um livro no qual, ao descrever a vida de uma pessoa rica em presentes naturais e presentes sobrenaturais (Olga Gugelmo) é delineado o modelo de vida religiosa a que aspira e tende toda autêntica Filha da Igreja. Aqui mencionamos alguns dos traços mais importantes desse modelo.

Contemplar e agir; ou agir contemplando: na vida cotidiana, dentro ou fora do lar, todo trabalho, mesmo o mais simples, o mais humilde, o mais insignificante, o mais escondido, deve sempre ser cumprido como cumprimento de um dever, como expressão de amor, como uma colaboração com Deus, Criador e Pai e com Cristo Redentor.

E enquanto ela descreve a vida de Olga, Maria Oliva prova uma onda de alegria sincera ao descobrir que este era o ideal para o qual a filha sempre estava cuidando.

Olga da Mãe de Deus

Olga nos aparece aqui nos curtos anos de sua jornada na terra; sua aventura é seguida na simples vida cotidiana, o terreno privilegiado em que cada um de nós deve atravessar seu caminho de volta ao Pai.
Seu compromisso como mulher cristã, em primeiro lugar como professor e apóstola comprometida com a ação católica, foi expressado nos últimos cinco anos de sua vida de forma sem precedentes, dentro do nascente Instituto das Filhas da Igreja. Sendo docile para o Espírito, Olga sinceramente incorporou o ideal de ser Filha da Igreja para o Batismo, e também para uma consagração religiosa específica, que a impulsionou a aprofundar e a viver cada vez mais consciente do presente recebido.

Scarica PDF

Magdalena

A vocação, a vida e a morte particular de Magdalena, oferecem a Fundadora, María Oliva, o primeiro motivo, o motivo fundador, para apresentá-la a todo o Instituto -juntamente com Olga da Mãe de Deus- como o modelo inspirador dela existência na Igreja. Nesse sentido, não é improdutivo dizer que, aos olhos da Fundadora, Magdalena foi a pessoa que contribuiu para fortalecer a universalidade ecumênica da Igreja no Instituto das Filhas da Igreja. Portanto, a semente ecumênica jogada por Magdalena passa por todo o corpo das Filhas da Igreja, tornando-se parte integrante do código genético do Instituto.

Pequeno Sol

Esta pequena biografia de Emma Moser foi escrita por Madre Maria Oliva Bonaldo, Fundadora das Filhas da Igreja, para dar a conhecer uma menina, aspirante da mesma Congregação, que ofereceu sua vida para o Concílio Vaticano II, em resposta ao apelo do Papa João XXIII a todas as crianças do mundo.

Respirar a Maria

Respirar a Maria é uma obra escrita na maturidade de María Oliva Bonaldo; pode-se dizer que é a síntese do que ela pode entender e viver do mistério de Deus e da Virgem Maria, profundamente inserida nele. Portanto, não estamos diante de um tratado sobre teologia sistemática; é uma "contemplação" admirada do que o Senhor fez em Maria; nos estimula a comprometer-nos com ela no cumprimento do caminho da adesão total a Ele, que é o caminho da santidade.

Cartas para Igino Giordani

Igino Giordani era um romancista, publicista, apologista; Maria Oliva, religiosa Filha da Caridade Canosiana, guiou os primeiros passos da Obra que o Senhor a inspirou e a qual fundou: o Instituto das Filhas da Igreja, cuja espiritualidade queria envolver sacerdotes e leigos também. 
As letras de M. Oliva a Giordani cobrem um período de tempo entre 1938 e 1973, com picos de correspondência densa em 1940-1943. Mais tarde, o relacionamento epistolar foi ampliado, pela transferência da Madre de Veneto para Roma, o que favoreceu a entrevista direta. 
As Cartas de M. Maria Oliva manifestam sem reticência a força de sua maternidade espiritual em sua expressão mais bonita, que acompanha e sustenta o filho espiritual no caminho da santidade; estão cheias de humanidade profunda e são um testemunho incandescente do amor de Deus que transborda em amor ao homem, chamado a realizar plenamente a vocação cristã em todos os estados da vida.

Comunhão

O Concílio Vaticano II disse: "A renovação da vida religiosa que se adapta às necessidades dos tempos envolve, ao mesmo tempo, o retorno contínuo às fontes de toda vida cristã e do espírito primitivo dos Institutos" (Perfectae caritatis, n.2). Este espírito, extraído dessas fontes, lida com as lições dadas por M. Maria Oliva às Irmãs durante o ciclo da primeira sexta-feira do mês, de outubro a junho de 1972-1973, com exceção dos meses de novembro e dezembro.
As lições foram transcritas fielmente por fitas magnéticas.
A voz viva da Mãe retorna neles; seu coração ardente se expressa e se entrega a si mesmo, o seu carisma emerge, num discurso maternalmente afetuoso e convincente. Tudo isso: a voz, o coração, o carisma, são apresentados à atenção constante e a meditação responsável de todas as Irmãs, para que sejam e permaneçam o que a mãe pensava deles, as queria e as amava: um solo coração e uma alma, para responder com fidelidade à sua vocação específica e à sua consagração pessoal.

Filhas da Igreja

Madre Maria Oliva, nos cinco breves capítulos deste trabalho, delineou a espiritualidade das Filhas da Igreja sob um ângulo particularmente significativo e moderno: o da participação. Ser parte de uma realidade significa participar não como meros espectadores, mas envolvidos a partir de dentro. É nosso chamado a ser as filhas da Igreja que compartilham a vida da família de Deus, compartilham suas riquezas, cuidam dos seus interesses; isso significa ser irmãs de Jesus e de todos os seus irmãos, os homens de todas as gerações e de todas as nações.
Esta abertura universal nos induz a respirar profundamente no mundo de Deus e nos impulsiona a testemunhar, com humildade e liberdade interior, o presente recebido.

Ut unum sint

Do unum sint da oração sacerdotal, nossa Congregação atraiu inspiração e vida. A unidade, sendo um só coração e uma alma, era a constante súplica, aspiração e compromisso da Madre Maria Oliva. O livro "Ut unum sint" contém duas séries de lições espirituais para as comunidades: a oitava de orações pela unidade dos cristãos em 1964 e a semana de 1976. 
Em 1964, Maria Oliva comentou sobre a Exortação Apostólica de Paulo VI de 1964, ao retornar da Peregrinação à Terra Santa. Ela também desenvolve os pensamentos que escreveu para o Calendário de Natal das Filhas da Igreja e que ela chama de "nosso folheto". 
Nas lições de 1976, ela comenta sobre o Oremus da Liturgia de 18 de janeiro: "Infunda em nós, ó Deus, o espírito do teu Amor, porque alimentados com o único pão da vida, façamos um coração e uma alma".

A oração

É uma coleção de 11 "Lições espirituais" que Maria Oliva Bonaldo deu para suas filhas sobre o tema da oração. Reenviando-as aos ensinamentos da Igreja, ela aponta: "Eu lhe digo: reze como a Mãe Igreja ensina você, que ensina como orar, como Jesus ensinou e como o Espírito Santo ensinou recentemente, com sua Constituição sobre a Liturgia, centralizando tudo naquele mistério que é a Santa Missa ".
É sabedoria e experiência da vida que a Fundadora transmite as suas filhas, que as tornam suas e que tentam viver e propor aos fiéis.

Comentário ao João 17

Durante a "Hora Santa" (Adoração Eucarística em preparação para a 1ª sexta-feira do mês), Maria Oliva comenta sobre a Oração Sacerdotal de Jesus (ano 1964).
Todos vocês sabem que o Senhor pede três graças com esta oração: para os seus, isto é, para os seus amados: seus sacerdotes, seus apóstolos, seus missionários e suas amadas apóstolas missionárias, e as três grandes graças então estendido a todos, a todos aqueles que acreditam na palavra do sacerdote, "aqueles que crêem em mim através da sua palavra", para todos aqueles que acreditam na missão do sacerdócio católico, para todos, pois, o Senhor pede estas três graças, agradecimentos supremos: consagração na verdade.

Comentário sobre o Magnificat

O compromisso com o crescimento espiritual de suas filhas tem sido um traço significativo e constante na vida de nossa Fundadora. Foi um acompanhamento discreto, especialmente nos momentos fortes de exercícios espirituais, nos quais, em oração e reflexão, nosso vínculo com o Senhor poderia ser melhor consolidado. A Madre normalmente seguiu as instruções do pregador e comentou sobre elas, concentrando-se no que era específico para o nosso carisma.
No verão de 1972, a saúde precária não lhe permitia seguir este itinerário habitual; esse impedimento não a desencorajou e, enquanto permanecia em seu quarto, na casa geral de Sancta Maria, queria alcançar as nove filhas que se preparavam para os votos perpétuos e os outros praticantes que estavam na pequena cidade de Nossa Senhora, na casa de Domus Aurea, com um breve comentário sobre o Magnificat.

Comentário à "Sacrosanctum Concilium", Constituição do Concílio Vaticano II sobre a Liturgia

Em 4 de dezembro de 1963, na conclusão da terceira sessão do Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965), o Papa Paulo VI (1963-1978) promulgou a Constituição sobre a Sagrada Liturgia. O Concilio foi um evento de graça para toda a Igreja, que desencadeou novas energias adormecidas no tempo, mas despertadas pelo poder do Espírito Santo, para o crescimento de uma consciência eclesial cada vez mais madura e participada. Nossa Fundadora seguiu as sessões conciliares com grande atnção, com sentimentos de profunda gratidão, porque reconheceu nos pronunciamentos dos Pais a plena realização de sua Inspiração Carismática. Nos Documentos promulgados, ela encontrou as linhas de seu pensamento: Sentire cum, per e in Ecclesia; então fez uma síntese, assumindo plenamente todos os conteúdos.
Esta pequena publicação para uso interno, nascida em 1962, foi estruturada em três pequenos panfletos que seguiram o ritmo da época litúrgica: época do Advento e do Natal; Quaresma e Páscoa; depois do Pentecostes. M. Maria Oliva o concebeu como um vínculo de comunhão diária entre Irmãs. Além das indicações litúrgicas diárias, ela relatou na data apropriada a memória do Batismo de cada Irmã, facilitando a lembrança coral de cada uma em oração comunitária.
Ela também ofereceu, para cada dia, um breve pensamento espiritual, extraído dos ensinamentos do Santo Padre ou jorrado do seu coração de Madre, com o objetivo de dar no início de cada dia um tom de compromisso alegre, um convite para ampliar os horizontes, abrindo-nos à riqueza infinita que Deus, o Pai, concede aos seus filhos. Precisamente deste instrumento simples, a Fundadora se serviu para dar-nos seu comentário inspirado sobre a Sacrosanctum Concilium no ano litúrgico 1964-1965; Depois comentará na Constituição sobre a Igreja, Lumen Gentium. Ela não poderá apresentar as outras duas.

Comentário a "Lumen Gentium", a Constituição do Concílio Vaticano II sobre a Igreja

O título deste artigo de Maria Oliva Bonaldo, entregue às Filhas da Igreja em 27 de dezembro de 1965, nos revela o conteúdo do comentário que ela queria deixar às "filhas". Depois de ter "confiado as breves reflexões sobre De Sacra Liturgia, ela não pode recusá-las sobre a Constituição dogmática De Ecclesia, porque sente o dever de alimentá-las com a graça materna que o Senhor lhe deu. Maria Oliva escreve na introdução que a Grande Mãe, a Igreja, as fornece para o pão, bem manipulado e perfumado. Sua pequena mãe trata mastica-lo para as mais incapazes, como todas as mães fazem com seus filhos.
Seu desejo é que depois de terem-se alimentado com este "pão de farinha", suas filhas falam com toda a amplitude do nosso mistério com fervor.

A fé nua

Maria Oliva compartilha com suas filhas sua reflexão sobre a fé de Maria, mostrando-a como um exemplo para cada caminho da vida cristã. Esta exortação espiritual foi feita em 1 de fevereiro de 1964 para comentar sobre uma homilia de S. Ecc. Mons. Canisio Van Lierde, Vigário do Papa para a Cidade do Vaticano, por ocasião da entrega do Crucifixo a um grupo de nossas Missionárias, a 25 de janeiro de 1964.
Foi transcrita a partir da fita magnética por ocasião do Ano de Fé 2013.

Humilde de coração

Maria Oliva, neste preciso trabalho, publicado em 1955, acompanha o leitor para descobrir o tesouro do amor divino, especialmente contido no segundo livro de "Revelações" [Insinuationes divinae pietatis] de S. Geltrude d'Helfta, uma freira cisterciense chamada "a Grande"(1256-1302), destacando, em particular, a humildade, que atraiu a complacência do Senhor para ela.

O segredo é voltar

A vivacidade e frescura da palavra de nossa Madre Fundadora Maria Oliva sempre nos surpreende. O folheto contém as instruções que ela deu às Irmãs refletindo sobre a liturgia dos Domingos da Quaresma de 1976 e o Domingo de Ramos de 1969, na qual ela apresenta a humildade e a obediência de Jesus. Eles foram tirados de fitas magnéticas em 1996 e mantêm seu estilo coloquial e exortatório,

Nosso Espírito

Liberado da mente e do coração da nossa Fundadora, este livrinho é o seu último esforço para elaborar as Constituições renovadas de acordo com as indicações do Concílio Vaticano II.  Publicado póstumo em 1977, foi amplamente utilizado para a redação das mesmas Constituições.

Hino a Cristo Rei

Quando Pius XI, em 11 de dezembro de 1925, com a encíclica Quas Primas instituiu a festa de Cristo Rei, Maria Oliva Bonaldo, então jovem Canosiana, compôs um melodrama, "representação" que alternava poesia, com música. Dividido em quatro partes, realiza uma meditação sapiencial sobre a regalidade de Jesus, inspirada nas Escrituras, transmitida pela Liturgia e pelo Magistério.

Perfil de João XXIII

Este Papa è Abençoado! É o breve perfil que M. Maria Oliva traçou alguns meses após a morte de João XXIII. Com base em seus escritos espirituais, destaca e demonstra as virtudes que o caracterizaram: humildade, bondade, caridade, piedade, paciência, castidade angélica, pobreza evangélica, obediência. Ela também lembra as reuniões que ela teve com ele durante o período em que ele era o Patriarca de Veneza e durante seu Pontificado.

Últimas lições para as Junioras

Durante os exercícios espirituais de suas filhas, M. Maria Oliva geralmente adicionou instruções breves às meditações do padre pregador que as ajudaria a refletir sobre a especificidade de sua vocação e missão. Este folheto contém suas últimas "lições", realizadas em Roma de 25 de junho a 4 de julho de 1976, apenas 6 dias antes da sua morte. Comenta para as mais jovens a fórmula dos votos e destaca sua responsabilidade como "co-fundadoras".

"As pequenas igrejas itinerantes"

"Eu nasci de amor e dor como todos os seres vivos, no armazém de carvão de uma vila romana, enquanto celebrava-se a Santa Missa".Com estas palavras, a Madre Maria Oliva começa a história fascinante em que fala em primeira pessoa a "pequena igreja itinerante", uma criação muito original, nascida de seu ardente desejo de fazer sentir a presença da Igreja Mãe nos mais pobres e marginalizados.
Minha história é realizada em quatro episódios, quatro folhetos relacionados e ainda independentes, com textos breves não sem poesia e enriquecidos com fotos eloquentes. O primeiro apresenta todas as etapas do nascimento de "Assunta", com o envolvimento dos trabalhadores e técnicos na loja de corpo Bianchi di Varese e seus primeiros passos apostólicos.
O segundo episódio: Minha história: meus meninos nos deixa entrar nos subúrbios romanos sem uma igreja para celebrar com o povo de Deus as principais festividades do ano litúrgico com uma participação cada vez mais intensa. 
No terceiro episódio: Minha história: tenho uma irmã "Assunta" está feliz em apresentar sua gêmea "Immacolata", nascida para chegar aos arredores de Bolonha.
O último episódio: Minha história: eu falo "Teresina" a igreja itinerante mais pequena e última , apresenta-se. Destinada às jovens aspirantes filhas da Igreja, está envolvido em seu caminho de crescimento e faz que elas participem de seus eventos.

Cartas de Maria Oliva Bonaldo a Mons. Ciro Scotti

As cartas da Madre Maria Oliva Bonaldo (1893-1976) ao P. Ciro Scotti (1883-1943) são  documentos extraordinários do impulso incontivel e firme que guiou nossa Fundadora na implementação da obra inspirada pelo Senhor.

Dom Ciro Scotti foi um verdadeiro "irmão da alma" na jornada espiritual de Maria Oliva e no compartilhamento completo de seu carisma, desde a juventude até os primeiros anos da fundação. Essas cartas, portanto, representam um testemunho autobiográfico fundamental, uma história de sua maternidade, composta em momentos e detalhes sucessivos, um guia insubstituível para o conhecimento dela e do carisma.

Comentário sobre a Sequência Veni, Sancte Spiritus

Em preparação a solenidade de Pentecostes, em 1970, Maria Oliva queria apresentar às Irmãs da Comunidade da Casa Geral em Roma uma leitura sapiencial da sequência Veni, Sancte Spiritus. Seu comentário oferece indicações preciosas para a vida espiritual: um caminho de docilidade ao Espírito Santo que, purificando a alma, a predispõe à contemplação.